A professora Helley de Abreu Batista, que morreu quando salvava crianças da Creche Gente Inocente, durante um incêndio criminoso em Janaúba, no Norte de Minas, agora dá nome a uma rodovia em Montes Claros, onde nasceu. A homenagem foi feita por meio da Lei 23.231, publicada no Diário Oficial de Minas Gerais no último sábado (5). 
A norma é derivada do Projeto de Lei 4.900/18, do deputado João Leite (PSDB), e foi aprovada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em dezembro. A rodovia batizada com o nome da professora é a LMG-631, que liga o município de São João da Ponte à BR-122, no município de Francisco Sá. 
Leite afirmou que a homenagem é importante porque a professora “deixou um exemplo de bravura e amor ao sacrificar a própria vida para salvar seus alunos do incêndio criminoso que acorreu em 2017". 
Na ocasião, dia 5 de outubro de 2017, a professora teve 90% do corpo queimado e morreu devido aos ferimentos. Ela salvou 25 crianças ao retirá-las das chamas. Além disso, enfrentou o vigilante noturno Damião Soares dos Santos, 50 anos, que provocou o incêndio. O segurança ateou fogo no próprio corpo e também morreu horas depois.
A professora nasceu em Montes Claros e mudou-se para Janaúba na juventude. Deixou o marido Luís Carlos Batista, com quem foi casada 23 anos, e três filhos. Um deles era um bebê de um ano e três meses, na época do crime.