quarta-feira, 12 de julho de 2017

LUTO: Policial militar e vigilante bancário são sepultados


1 / 12
MANHUAÇU E SANTA MARGARIDA (MG) - Foram sepultados nesta terça-feira, 11/07, no mesmo horário, os dois homens mortos em serviço por bandidos em Santa Margarida durante assalto a bancos na segunda-feira.
O corpo do cabo Marcos Marques da Silva, de 36 anos, foi sepultado no final da manhã, em Manhuaçu.
Policiais militares, bombeiros, policiais civis, agentes penitenciários, amigos e familiares prestaram a última homenagem ao militar. O cortejo em carro do Corpo de Bombeiros foi seguido por diversas viaturas nas ruas de Manhuaçu.
Bastante conhecido e querido em Manhuaçu, o Cabo Marcos era formado há 10 anos em Belo Horizonte pela Polícia Militar, voltou para a Manhuaçu há seis anos, onde morava com a esposa Dulcineia Amaral Marques, 30 anos. Ele trabalhava em Santa Margarida.
"Foi uma fatalidade. Não podemos dizer que há um culpado na morte dele. Ele morreu cumprindo a missão dele", disse ao jornal O Tempo Felipe Vieira do Amaral, de 21 anos, cunhado de Marcos.
VIGILANTE
O corpo do vigilante Leonardo José Mendes também foi sepultado nesta terça. O velório e sepultamento foram acompanhados por uma multidão formada por amigos, familiares e moradores de Santa Margarida, onde o vigilante Léo era muito querido.
Um rapaz de 21 anos precisará de muito tempo para superar o trauma vivido na manhã desta segunda-feira (10). Ele foi levado como refém pelo bando fortemente armado que roubou bancos, tendo inclusive que ajudá-los durante a ação, e acabou presenciando o seu tio, que era vigia no Banco do Brasil, ser baleado e morto.
Ele falou com a reportagem do jornal O Tempo durante o velório do vigilante Leonardo José Mendes. Ele contou que estava trocando a placa de um caminhão quando os assaltantes chegaram e falaram para ele subir na caminhonete.
"Eu e um colega subimos na hora na carroceria e eles nos levaram primeiro para a agência da Sicoob. Eles chamaram o vigia, pegaram o dinheiro e pediram que eu segurasse o valor roubado. Em seguida fomos para o Banco do Brasil, onde chegaram quebrando as vidraças. Tive que ajudar, pois eles estavam me empurrando no vidro", relatou.
VÍDEO EM MANHUAÇU

Fonte Parceiro Portal Caparaó
Carlos Henrique Cruz - Jailton Pereira - contato@portalcaparao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário